domingo, 30 de outubro de 2011

Projeto nº 18 - Tuia Jacaré Dragão

Amigos,


Neste post apresento o trabalho desta manhã, outra Tuia Jacaré com as mesmas características que apresentei no post anterior do Projeto 17, por isso, não repetirei características técnicas das plantas. O que destaco neste trabalho foi a ousadia de um estilo livre inspirado em trabalhos expostos na internet no estilo Dragão, tentando representar toda sinuosidade e imponência destes seres mitológicos orientais.


Vejam alguns exemplares de estilo livre:




Há tempos venho ensaiando e pesquisando um estilo tipo Dragão, que represente minha proposta. Não encontrei nada que me satisfizesse, assim projetei algo que demonstrasse a sinuosidade e acho que deu certo.


Algumas imagens inspiradoras:











Neste link há um breve ensaio sobre Dragões do Aido Bonsai: http://aidobonsai.wordpress.com/2010/07/04/galeria-de-dragoes/

Assim, vamos à apresentação da planta em sua forma intocável:







Após a limpeza de galhos desnecessários na base da planta e retirada de quatro dedos de terra para uma melhor visualização da base do tronco, iniciei o trabalho de tração do tronco para garantir a firmeza da base:



Detalhe do tracionamento e proteção do tronco com borracha

Nesta imagem já é possível ter visão das "Asas" do Dragão.



O segundo passo, foi dar o movimento principal do corpo (tronco) do bicho. Utilizei tanto a aramação como tração na grande raiz descoberta após retirada da terra:



Detalhe do segundo tracionamento, desta vez na raiz, e sua proteção





Em seguida, a continuidade do movimento com a segunda torção do tronco, voltando o movimento em direção ao alinhamento com a base:


O bicho começa a tomar forma.



Imagem inversa
O próximo passo, e mais duvidoso, foi trabalhar as asas do estilo Dragão:



Detalhe do último tracionamento do dia, na asa direita



E ao final, o trabalho finalizado por esta primavera. Agora somente manutenção, se necessária, na próxima estação:











video


Gostei muito resultado pois tentei aproveitar o máximo que a planta oferecia. Sei que não é comum e aguardo a crítica dos mais experientes e especialistas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário